sexta-feira, 4 de abril de 2014

Mais uma sondagem mais uma derrota.... #Governo #PSD #PS #CDS #PPC #Seguro

Hoje saiu mais um Barómetro i/Pitagórica (ver aqui). 

Neste estudo podemos começar a perceber que impacto eleitoral terão as recentes melhorias nos indicadores económicos.   

Os resultados são claros, o PS está a subir e a aproximar-se da maioria absoluta. 

Não deixa de ser caricato, que o Governo consiga diminuir o deficit, aumentar o emprego, diminuir as taxas de juro (hoje: abaixo dos 4% pela primeira vez desde 2009) e ao mesmo tempo continuar a descer nas intenções de voto e a ser avaliado negativamente por 70,8% da população. (Já escrevi sobre isto)

É notório que Passos Coelho é, enquanto governante, diametralmente oposto a José Sócrates. Enquanto  um apenas aparecia para dar boas notícias, deixando as más para os seus ministros, o outro dá as más e deixa as boas para os seus ministros, em particular para os seus parceiros de coligação.

De facto, o que transparece é que o Passos Coelho procura cultivar a diferença de postura relativamente ao governo socialista, um gasta o outro poupa, um endivida-se o outro paga a dívida, um prepara e escolhe minuciosamente tudo o que diz o outro não faz campanha. Se esta postura de frontalidade é eticamente irrepreensível, a despreocupação com que se olha para a comunicação normalmente tem uma consequência, a derrota. 

Tanto como resolver os problemas do país, o Governo tem a obrigação de pensar no que acontecerá ao país se o partido com mais responsabilidade na crise voltar ao poder.

Se a primeira preocupação do Governo é resolver os problemas do país, também é verdade, especialmente no paradigma da comunicação em que vivemos, que tem a obrigação de dar satisfação a quem o elege, explicar o porquê das decisões mais importantes e evitar que a máquina de propaganda da oposição enviese a realidade. 

Mas Passos Coelho parece preferir deixar o PS a discutir com o PSD de Lisboa, o que deve deixar a tropa da estrutura local do PSD toda orgulhosa e alguns dirigentes nacionais a rir-se. Mas não é mais do que isto, uma massagem ao ego partidário que revela algum autismo político. É que o drama surge quando se comparam as máquinas do PSD local e do PS Nacional, como não são comparáveis a mensagem do PS terá sempre mais projeção que a da estrutura local do PSD.

Veremos quem se ficará a rir em 2015...

A guerra dos videos:

PSD de Lisboa lança este vídeo:



PS responde com este Video:


PSD de Lisboa lança logo depois este video: