terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Há sempre uma cigarra prontinha a pegar na guitarra.



A coberto de uma suposta superioridade moral, que na prática consiste numa ostensiva desonestidade intelectual, uma das seis cabeças dirigentes do Bloco vem menosprezar (mais) uma prova do sucesso português.

Esta “gota no oceano da dívida”, como refere o BE, é “apenas” mais de metade do empréstimo do FMI e resulta do esforço colectivo de todo o País.

É também o resultado de uma efectiva renegociação constante e sustentada das condições da dívida, que não se faz aos berros na praça pública mas sim com trabalho e seriedade.
Embora não seja do agrado de muitos, o trabalho de formiga é sempre mais útil e compensador que a vozearia da cigarra.