quinta-feira, 12 de março de 2015

Coincidências e realidades


Não há coincidências. Muito menos na política e na luta político-partidária. António Costa admitiu o óbvio junto de empresários chineses ao referir que Portugal estava hoje melhor. Naturalmente isso levantou uma onda de oportunidade jornalística que não se imaginava que pudesse ocorrer, para mais da conduta e do comportamento do líder da oposição que tanto se tem manifestado crítico para com este Governo. E eis que surge logo de imediato o caso Segurança Social de Passos Coelho, deixando-se de falar do lapso de António Costa. Mas António Costa mais não foi que ao encontro de uma constatação. Portugal está hoje melhor do que estava em 2011 quando abriu falência decorrente da má gestão/Governação dos Governos Socialistas do qual fizera parte. Alguém se lembra na história da nossa democracia, quantas vezes ficamos dependentes de ajuda externa por incompetência ou irresponsabilidade da gestão/Governação de Governos de Direita? Não nos esforcemos muito pois não existe tal registo histórico. As vezes que Portugal ficou “refém” dos credores internacionais foram sempre nos mandatos da Esquerda. E esta é uma realidade inabalável que por muito possam querer asfixiar, está historicamente escrita. Falam sempre da Direita e da sua austeridade, mas ela só existe porque houve quem não soubesse proteger/acautelar convenientemente e responsavelmente os interesses de Portugal e dos Portugueses. Creio que a maior lição que se retirará desta crise que ainda atravessamos é de que Portugal e os Portugueses, não podem ter a ilusão de viverem acima das suas possibilidades. Este Governo de Direita que tanto criticam, não vende ilusões. Vende uma realidade que assenta em austeridade porque a situação nacional assim o exige. Falar verdade e Governar com responsabilidade perante Portugal, é não hipotecar as gerações vindouras, e deixar um legado de esperança no futuro do país e das suas gentes. Ultimo apontamento: António Costa que correu com António José Seguro da Liderança do Partido Socialista por não descolar da Coligação de Direita nas sondagens, é o mesmo António Costa que hoje tem um registo a esse nível idêntico ou pior que o seu antecessor. Dá que pensar….!!!!