sexta-feira, 4 de setembro de 2015

As últimas balas...

Olhando para os últimos meses de campanha parece que tudo corre mal ao António Costa. 

São os  cartazes da Iurd, as queixas dos modelos da segunda leva de cartazes (lê mais aqui), a demissão do diretor de campanha, o aparecimento da Maria de Belém como candidata presidencial, a colagem à Ferreira Leite (lê mais aqui) e até os comentários sobre os refugiados (lê mais aqui).  

O homem anda numa maré de azar. Ainda por cima, já percebeu que do lado da coligação existe dinâmica, ao contrário do que acontece com a sua máquina partidária.

Como reagir?...


Esta é a pergunta que tem tirado o sono ao seu staff nas últimas noites.

Se o PS precisa fragilizar a dinâmica de vitória que se sente na Coligação e precisa de trabalhar o voto útil.... o que fazer? Como reagir?...

O ideal seria uma sondagem que desse o PS apenas 1% à frente, ou menos, mais não. Uma sondagem que passe a ideia que o PS está à frente, mas não o suficiente para espantar o voto útil, aliás é importante que transmita a ideia que o PS está em queda para criar um apelo informal ao voto útil da esquerda. 

Mas a quem recorrer? Teria de ser alguém alinhado, mas que seja credibilizado por um meio de Comunicação Social credível.... 

Mas quem?...