sábado, 26 de dezembro de 2015

BANIF - Guia para a golpada !



Sérgio Figueiredo não é jornalista, mas foi diretor do Jornal de Negócios e é agora diretor de informação da TVI, responsável máximo pela informação do canal. 
Foi administrador da EDP entre 2006 e 2012, nomeado por José Sócrates.
A TVI é detida pelo grupo espanhol PRISA, que pertence a um alto quadro do PSOE (Partido Socialista Espanhol), que é, por sua vez, um grande acionista do Banco Santander.

No dia 13 de Dezembro (domingo) a TVI lança o pânico na banca portuguesa, com uma noticia falsa sobre a resolução do BANIF.

No dia 14 de Dezembro (segunda-feira) o BANIF desmente categoricamente noticia da TVI, no entanto a corrida aos balcões do BANIF foi imparável, levando a uma descapitalização do banco em 1.000 milhões de euros nesse mesmo dia 14 de Dezembro.

No dia 15 de Dezembro (terça-feira), com o BANIF já em colapso financeiro, a TVI pede desculpas: "A TVI envia desculpas aos seus espetadores, mas também aos acionistas, trabalhadores e clientes do Banif, pela difusão de um conjunto de informações que, embora cabalmente esclarecidas no jornal “25ª hora”, emitido à meia-noite, poderão ter induzido conclusões erradas e precipitadas sobre os destinos daquela instituição financeira".

Em dois dias o BANIF estava em colapso total devido a uma notícia falsa, produzida por um órgão de comunicação social, pertencente ao mesmo grupo que acabaria por adquirir o banco, deixando o Estado Português e os portugueses com milhares de milhões de euros de prejuízo.

No dia 18 de Dezembro o banco liderado por Jorge Tomé confirmou que recebeu seis propostas de compra pela participação de 60,5% detida pelo Estado. Entre essas propostas constava uma da Norte Americana Apollo que comprava o banco por 400 milhões de euros numa solução que não implicava qualquer injeção de capital pelo estado português.
Nenhuma dessas seis propostas foi sequer aberta e analisada.

No dia 20 de Dezembro (domingo), o primeiro-ministro português comunica ao país a compra do Banif pelo Santander, com pesadas perdas para os contribuintes.

Numa semana, um banco português é devastado por uma notícia falsa de um canal privado (detido por elementos do partido socialista espanhol e com um diretor de informação ligado ao partido socialista português) e comprado (com pesadas perdas para os contribuintes portugueses) pelo Banco Santander, detido pelo mesmo grupo que lançou o pânico sobre o BANIF e que o fez colapsar com uma notícia falsa.

O BANIF não era um caso de polícia como o BPN e o BES... Mas não será um caso de polícia a tomada de posse do Santander sobre o BANIF??


Fica a pergunta...