sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Coimbra (a do PS) já não é "uma lição"!


A notícia é do Jornal de Noticias de hoje. 
Mas " fugir" ao julgamento em Tribunal é um sinal de cobardia política.

Mas afinal o PCP já não garante a paz social?

Parece que esta tropa está de greve por causa das 35 horas, mas não porque exigem algo que não venha a acontecer, é mesmo para que aconteça é já e não no segundo semestre deste ano (lê mais aqui).

Pessoalmente acho que estas greves nem são assim tão más:


  • Menos trânsito para quem realmente tem de ir trabalhar;
  • Vai consolidando a ideia relativa a alguns sindicatos enquanto órgãos vestigiais da sociedade, daqueles que terão sido importantes algures na evolução humana, mas que agora ninguém sabe bem para o que servem (sindicatos custam milhões ao estado).
  • E por começarem a acelerar o processo de clarificação do PCP. 




ALDRABAR artificialmente

Gostei da utilização do termo "melhorar artificialmente" por parte da UTAO quando confrontada com o esboço de Orçamento apresentado por António Costa e Centeno...

Eu usaria o termo "aldrabar", mas são estilos!!!


Esta história de continuarem a fomentar a separação entre trabalhadores privados e do estado é um insulto




quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Marcelo, o Presidente eleito, em Belém


"bem vindo a esta sua futura casa": Cavaco, quase de saída, recebe o próximo inquilino na casa da Presidência Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Bruxelas chumba "esquiço" orçamental de Centeno e associados para 2016


e orçamento de estado vai ser a primeira "batata quente" nas mãos de Marcelo.

Sobre as Presidenciais


As eleições do passado domingo revelaram, no essencial, 4 situações:

1.    Que pelo voto o povo português rejeitou a lógica de uma esquerda unida como se fosse o manifesto de uma vontade profunda popular;

2.    Um PS dividido cujo seu líder caminha sobre os escombros de um partido que não soube unir e vê o seu “aliado” BE progredir perigosamente no seio do seu eleitorado;

3.    Um Primeiro-Ministro vislumbrado pelo Poder que se dá ao luxo de discursar na qualidade de líder do Executivo, depois do Presidente da República eleito, fazendo da sua 3.ª derrota, a sua 3.ª vitória;

4.    Um PCP que irá refletir seriamente no péssimo resultado que alcançou e no apoio que tem manifestado a este Governo, o qual o desvia da sua matriz de pensamento ideológico com as consequências visíveis.
 
 
 

 

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

"jeringonça" nas presidenciais??


seria a 2ª volta de "Costa e associados"!

Marcelo Rebelo de Sousa poupa 1.5 Milhoes. ..



Boas notícias:

Porque apenas 3 candidatos obteram no total mais de 5% dos votos o estado poupa mais de 2 milhões de euros na eleição.

As candidaturas com direito a comparticipação do estado são:

Marcelo Rebelo de Sousa - 157.000 euros
Sampaio da Nóvoa -  742.000 euros
Marisa Matias - 650.000 euros.

Com 52,12% de votos, a candidatura do Presidente da República eleito tinha direito a receber um apoio financeiro do Estado de quase 1,65 milhões de euros para financiar os gastos da campanha eleitoral. Como a verba orçamentada para despesas na campanha eleitoral foi apenas de 157 mil euros, Marcelo Rebelo de Sousa irá receber de subvenção pública um montante equivalente à despesa efetuada com a campanha eleitoral: 157 mil euros. Contudo, o excedente de 1,5 milhões não deverá reverter para o Presidente eleito, ficando nos cofres do estado.
Um exemplo de contenção de custos.
Se Edgar Silva e Maria de Belém tivessem mais de cinco por cento sairiam mais 1,4 milhões do nosso bolso.

Mais um motivo para estar orgulhosa de Marcelo Rebelo de Sousa.

http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/politica/detalhe/marcelo_poupa_15_milhoes_ao_estado.html

http://observador.pt/2016/01/25/estado-poupou-dinheiro-nas-eleicoes-presidenciais/

Alberto Moura e Joana Barroso Calisto Valério 

domingo, 24 de janeiro de 2016

Parece que o PCP começa a pagar pela cambalhota que deram nas legislativas... Cheira-me que vai ter de tomar uma atitude e rapidamente....

Tanta conversa sobre a abstenção, mas continuamos a votar da mesma forma como no século passado.

Vi há pouco na televisão uma reportagem sobre a votação nos Açores, com o comentário quase dramático do jornalista afirmando que era a região do país com maior abstenção... Como não? Se no continente estão tantos açorianos a trabalhar e a estudar que continuam recenseados lá. 

Ainda ninguém me conseguiu explicar porque é que ainda votamos com um papel e uma caneta, porque é que tenho de dar o meu número de eleitor, quando tenho o do BI e o contribuinte, ou mesmo porque é que tem de ser num local único.

O sistema, tal como existe, está montado para favorecer a abstenção. 

É incompreensível que se exija a alguém que pague para votar! Que tenha de fazer uma viagem, que tenha de mudar os compromissos de trabalho, incompreensível que ainda seja assim em 2016.



Mais estranho é que nenhum partido tenha defendido a implementação do voto eletrónico, algo que existe há décadas um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Bélgica, e até na Bulgária).

É um direito poder votar independentemente do local onde se esteja e da razão que nos leva para lá.


sábado, 23 de janeiro de 2016

Este é o governo que vai ainda além do governo que foi além da troika!


Este é o governo que vai ainda além do governo que foi além da troika!

Conheceu-se agora o esboço do orçamento de Estado para 2016. E, surpreendentemente, o “Tempo Novo”, afinal, é o tempo de ir além do governo que foi além da troika.

Vejamos:

Os combustíveis irão aumentar 5 cêntimos por litro! Ao mesmo tempo o IVA da eletricidade mantém-se nos 23% e os combustíveis têm um dos maiores aumentos de impostos de sempre. Ou seja, aquilo que é básico e fundamental, para todos, fica igual ou tem um aumento brutal de impostos. Por outro lado a “necessidade básica” de ir a um restaurante baixa 10% (mas só em julho...)!

Vamos então ver os tópicos resumidos:

A receita total do Estado passa de 42,9 para 43,8% do PIB, um aumento de 0,9%, considerando o aumento do PIB em 2,1% (como o governo prevê). Trocando por miúdos (sem maçar muito com contas): um aumento de impostos de 5.000 Milhões de euros (qualquer coisa como mais 500 euros por português)!

A despesa com remunerações dos funcionários públicos passa de 11,1% (em 2015) para 10,9% do PIB (em 2016), no entanto os salários brutos sobem 2,4%... Alguém explica como?

A despesa com prestações sociais baixa de 19 para 18,6% do PIB...

Subsídios baixam de 0,5 para 0,4% do PIB...
Exportações baixam de 5 para 4%...

É só ler aqui o esboço ... Se preferir rir um bocado, nesse caso veja ISTO !


Para terminar, em 2015 o FMI, CE, OCDE e BdP previram um aumento do PIB entre 1,6 e 1,7%, a previsão do Ministério da Finanças era 1,5%.

Para 2016 essas mesmas instituições prevêem um aumento do PIB entre 1,5 e 1,7%, mas a previsão do Ministério das Finanças é de 2,1%. Pensamento positivo faz bem à saúde!

Previsão para a economia portuguesa, constante do esboço do Orçamento de Estado para 2016

Ficou confundido? Afinal a austeridade acabou? Ou este governo quer ir ainda além do governo que foi além da troika? Não se preocupe em estar confundido, não é certamente o único...

Precisa refletir sobre a sua “confusão”? Fica aqui um conselho: Vá jantar fora! O jantar vai ficar 10% mais barato (isto se os restaurantes refletirem a baixa do IVA no consumidor)!
Mas vá a pé, porque, além de ser melhor para a saúde, com 5 cêntimos de aumento nos combustíveis, se o restaurante for longe, fica a perder...

Enquanto caminha, até ao restaurante, pense sempre que “Palavra dada é palavra honrada”.

Boa caminhada.

Caminhar (altamente recomendado pelos médicos) faz bem à saúde, e, pese embora o SNS tenha, segundo este governo, sido “devastado”, ficamos hoje a saber que o orçamento para a saúde vai descer (Mas os profissionais de saúde vão ganhar mais 2,1% que em 2015)! Se não acredita em milagres, evite problemas de saúde! Caminhe!

Artigo de Alberto Moura e Joana Barroso Calisto Valério.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Puseram a Maria de Belém a falar do Marcelo e agora queixam-se da imprensa e dos eleitores ...

A desculpa é sempre a mesma, a imprensa, a campanha negativa e até os eleitores, esses irresponsáveis que não se interessam e deixam que outros decidam por si...

Ir para uma campanha sem máquina partidária é difícil, aliás é o primeiro indício que a coisa vai correr mal. Ir para umas eleições a dividir o espaço político do PS é de loucos. Aliás, O Soares e o Manuel Alegre que o digam.



Com o espaço politico natural dividido ao meio, é natural que se estabeleça como objetivo principal passar à segunda volta. E isto ambas as candidaturas fizeram. No entanto, passa à segunda volta aquele que conseguir capitalizar mais votos no seu espaço natural, onde à partida é mais fácil ir buscar votos. 

É neste ponto que o principal adversário passa a ser aquele que divide o seu eleitorado base.

Se o Sampaio da Nóvoa investiu muito tempo a deixar claro que é o legitimo candidato do PS, aumentando progressivamente a ingerência da maquina partidária na campanha, a Maria de Belém continuou a falar do Marcelo. Resultado, o Sampaio da Nóvoa assumiu-se como o natural candidato do PS e a Maria de Belém como a cara principal da defesa da subvenção vitalícia.

E eu só posso imaginar as dores de cabeça que o caso subvenção vitalícia deu aos spindoctors da campanha da Maria de Belém.

Cameron e o Camarão...

O que é um Camarão?
 
Bem, Camarão é a designação comum a diversos crustáceos da ordem dos decápodes, podendo ser marinhos ou de água doce. Trata-se de crustáceos que possuem um abdómen longo, possuindo três pares de pernas e rostro desenvolvido. Estes animais pertencentes à classe dos crustáceos, com exosqueleto de quitina, com um aparelho digestivo completo, com duas aberturas para entrada e saída de alimentos na boca no ânus.
 
E Cameron, enquadra-se na espécie Homo Sapiens?
 
Bem, tenho dificuldade em dar uma resposta linear a esta questão. O que sei é que o Homem ou como Homo sapiens, de acordo com a sua classificação científica, é uma espécie animal de primata bípede do gênero Homo ainda viva. Os seres humanos têm um cérebro altamente desenvolvido, com inúmeras capacidades como o raciocínio abstrato, a linguagem, a introspeção e a resolução de problemas.
 
Esta capacidade mental, associada a um corpo ereto possibilitaram o uso dos braços para manipular objetos, fator que permitiu a criação e a utilização de ferramentas para alterar o meio ambiente. São os processos de pensamento de alto nível, como a auto-consciência, a racionalidade e a sapiência que definem uma "pessoa".
 
Cameron, não sei se está mais para "Homo" ou para "Camarão", sobretudo depois de considerarmos a sua visão da Europa ou as suas abordagens às questões relacionadas com os emigrantes. Recordo-me, em particular, da ideia de cortar nos benefícios aos imigrantes da UE, no âmbito de uma série de medidas, noticiadas no ano passado, destinadas a tornar o Reino Unido "menos atrativo" à imigração, a ilegal e a legal.


 
 
Recordo-me também da sua última ejaculação mental e que se concretizou com a ameaça de deportar todas as mulheres muçulmanas que não saibam inglês. As migrantes que não passem o teste de inglês, dois anos e meio depois de terem chegado, não serão autorizadas a ficar no Reino Unido, podendo ser separadas dos filhos. É este, no momento, um dos grandes porta vozes da crise de valores que assola a Europa e toda a civilização ocidental.

Dizia Camarão no seu artigo do The Times há 4 dias que existem no RU cerca de 190 mil muçulmanas que quase não falam inglês e que não estão socialmente integradas, pelo que há a  necessidade de contrariar uma minoria de homens muçulmanos que exercem "um controlo prejudicial" sobre as mulheres nos agregados familiares.

Sempre podíamos perguntar, mas porque não deportar os homens que exercem esse "controlo prejudicial" sobre as mães dos seus filhos? Porque não deter e/ou deportar os homens que, dominando o idioma dos  anglo-saxões, pregam o jihadismo islâmico, a intolerância, a subversão e o ódio inter-cultural?

 

 
 

Tenho, por isso, dificuldade em classificá-lo. À Cautela fica Camarão!!!
 
Em anexo apresento um exemplo da conivência do Estado britânico para com comportamentos subversivos e desviantes. São aliás outros cidadãos britânicos muçulmanos que se insurgem contra o fenómeno. Ainda bem que o fulano sabe articular umas frases em inglês!!
 

"acabar com os privilégios das subvenções vitalícias dos políticos"


Marcelo no Porto, a defender a moral na política, em vésperas de maioria absoluta nas presidenciais de domingo!

Nada contra o Paulo Morais, mas tenho ideia que é ilegal pagar espaços publicitários para Campanha Eleitoral....


Atualização:

Fica a nota que atualmente não é ilegal, devido à alteração Legislativa de Julho de 2015, Lei n.º 72-A/2015. "Excluem-se da proibição prevista no número anterior os anúncios publicitários, como tal identificados, em publicações periódicas desde que se limitem a utilizar a denominação, símbolo e sigla do partido, coligação ou grupo de cidadãos e as informações referentes à realização de um determinado evento". 

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

A adorar a reta final de campanha, Maria de Belém a ter de explicar a subvenção vitalícia e o Sampaio da Nóvoa a ter de explicar como e se tirou o curso...

Putin e o assassinato de Dmitry Litvinenko


este ex-espião e dissidente russo, envenenado por polónio em Londres, em 2006, é mais uma das vítimas de Putin.
É isso que conclui o inquérito a este crime, hoje divulgado oficialmente na capital britânica por Sir Robert Owen.

Certamente uma conversa que teria poupado muitas dores de cabeça ao Sócrates...

Depois de um ex-primeiro ministro que acabou o curso ao domingo, agora surge um candidato presidencial, que de tão exemplar que era, depois de ter frequentado um curso na Escola Superior de Teatro e Cinema, acaba por se licenciar em Genebra, em apenas dois anos (noutro curso...)

Aposto que uma conversa com o Sampaio da Nóvoa teria poupado muitas dores de cabeça ao Sócrates...




Temos Primeiro Ministro

e Presidente da República, e Parlamento... O Tribunal Constitucional parece ser tudo isto.




É impressionante como a nossa Constituição permite que o Tribunal Constitucional possa substituir-se ao parlamento. 

Um organismo composto por nomeados manda mais que os eleitos pelo povo.


CRISE NA BOLSA...



Pelos vistos Janeiro de 2016 será o pior mês na bolsa de Lisboa desde Outubro de 2008. Na Europa aliás, só a praça de Atenas cai mais. 



Desde o início do ano, o valor do mercado nacional já "encolheu" em 7,13 mil milhões de euros.




Se associarmos a esta situação a fuga de capital por via da desconfiança no atual Governo, temos em vias de preparação uma situação muito complexa, já no curto prazo. 




Como dizia Margaret Thatcher, " O Socialismo dura até acabar o dinheiro dos outros". 




O nosso está quase a acabar!!!

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

"não a cedências à troika", avisam PCP e Bloco


em véspera de visita dos credores a Portugal e apresentação do orçamento para 2016, os "associados" pressionam António Costa e o seu governo.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

E agora Jorge Jesus? Vais de Ferrari ou de Renault 4l?

E agora Jorge Jesus, o que é que vais fazer à tua vida? "Quê que a gente vai fazer? Lutar como? Só se for na playstation. Na playstation eu consigo resolver isto." seja como for "Não respondo a essa pergunta, porque isso é um assunto do forno interno do clube."JJ
 
 
 
 

A fúria dos deputados desaparecidos

Maria de Belém pediu ao TC devolução
das subvenções vitalícias dos políticos

Para além do título explosivo para a campanha de Maria de Belém, a notícia demonstra que muitos dos deputados que subscreveram este requerimento já não se encontram hoje na Assembleia da República.
Urge por isso saber quando foi submetido este requerimento, e quantos deste deputados estão elegíveis ou já requereram a subvenção vitalícia. Porque saber isto faz toda a diferença, entre um grupo de representantes do povo que toma uma posição legítima (mesmo que discordemos dela), ou um grupo de interesse corporativo que usou do seu estatuto de deputados para assegurar um rendimento quando já sabiam que iriam perder os seus cargos. Em todo o caso é confrangedor assistir a tudo isto e não encontrar no PSD ou CDS quem venha tomar posição pública sobre esta matéria em nome destes partidos que fizeram aprovar (e bem) na AR a suspensão destas subvenções imorais. Quanto à reacção de "choque e horror" do Bloco de Esquerda, pergunto-me se vão ser consequentes e pedir a cabeça dos ministros imorais deste Governo que subscreveram este requerimento.
Fica aqui para a história o "muro da vergonha" deste processo: Alberto Costa (PS),
Alberto Martins (PS),
Ana Paula Vitorino (PS),
André Figueiredo (PS),
António Braga (PS),
Arménio Santos (PSD),
Carlos Costa Neves (PSD),
Celeste Correia (PS),
Correia de Jesus (PSD),
Couto dos Santos (PSD),
Fernando Serrasqueiro (PS),
Francisco Gomes (PSD),
Guilherme Silva (PSD)
Hugo Velosa (PSD)
Idália Serrão (PS)
João Barroso Soares (PS)
João Bosco Mota Amaral (PSD)
Joaquim Ponte (PSD)
Jorge Lacão (PS)
José Junqueiro (PS)
José Lello (PS)
José Magalhães (PS)
Laurentino Dias (PS)
Maria de Belém Roseira (PS)
Miguel Coelho (PS)
Paulo Campos (PS)
Renato Sampaio (PS)
Rosa Maria Albernaz (PS)
Sérgio Sousa Pinto (PS)
Vitalino Canas (PS

Fica por saber se o Almeida Santos se sentiu mal antes ou depois de ler o texto do Alfredo Barroso...


Alfredo Barroso chama "indecência política ambulante" a Belém


(Imagem retirada do Notícias ao Minuto)

debate, hoje, na rtp: Belém não vai e Marcelo pondera


mas a morte de Almeida Santos justificaria o seu adiamento por 24 horas, no silêncio e respeito por quem tanto soube contribuir para um Portugal da Democracia , da Liberdade e da solidariedade entre todos os portugueses.

R.I.P.

Partiu um homem de fortes convicções e ideais. De enorme pensamento político e ideológico. Ficará na história da nossa democracia, que fica assim mais pobre.

A farsa da reestruturação da dívida ao FMI


A decisão de pedir dinheiro emprestado ao FMI com taxas de juro de 4% só pode ter uma explicação: o governo não se sujeita ao mercado privado (pedir emprestado nos mercados a 10 anos está agora a 3% quando antes andava nos 2%. A 2 anos está nos 1%) porque sabe que a subida na taxa de juro privada está a dar sinais de vida e de se querer agravar, o que daria inconvenientes cabeçalhos de imprensa. Assim sempre vai pedindo ao FMI onde pode contar com a imbecilidade dos opinion makers que mais não fazem nos últimos tempos que andar a glorificar a recente reestruturação da dívida ao FMI como se pagar a uma taxa de juro ruinosa de 4%, muito acima da alternativa de mercado, fosse um negócio bem conseguido. Isto só revela o receio de uma nova crise na dívida pública tanto que se prefere garantir já que se paga ruinosamente a 4% do que arriscar a ver o que vão achar os nossos credores e os mercados nos próximos tempos tendo por base os próximos orçamentos do Estado.
 

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Alegre dá um "murro" na mesa!


"as estruturas do partido socialista estão a apoiar Nóvoa e isso é uma falta de respeito"

domingo, 17 de janeiro de 2016

Nóvoa, o Humanista ???


Vários jornais publicaram na semana passada que “um homem de olhos azuis”, morador em Oeiras, teria tentado por duas vezes embargar a obra de um centro de acolhimento para adultos com paralisia cerebral.
Tal embargo até poderia ser por uma causa nobre...
Mas a causa “nobre” que, fazia correr o homem de olhos azuis, era que o centro para adultos com paralisia cerebral lhe tirava a bela paisagem e ia alterar “o equilíbrio” da zona, o que causava “grandes prejuízos em termos de vista, espaço de jardim, passeios e lazer”.
Motivos de “nobreza” suficientes para o homem de olhos azuis querer impedir que uma associação humanitária, que luta para dar uma vida melhor a adultos com paralisia cerebral, não o pudesse fazer.
Entre dar um lar condigno a deficientes profundos e ter melhores vistas de sua casa e mais espaço para lazer, o homem de olhos azuis não teve qualquer dúvida e optou, com uma enorme generosidade, pelas suas vistas e pelo seu amplo espaço de lazer. Homem grande (com h pequeno) tem destas coisas...



Apesar de o homem de olhos azuis, mais alguns dos seus vizinhos, se queixarem da sua perda de qualidade de vida (e provavelmente pensando que um centro para adultos com paralisia cerebral ia estragar a vizinhança), a APCL não se deixou intimidar.
O homem de olhos azuis perdeu todas as ações, nos tribunais de Oeiras e Sintra, perdeu na apreciação de um provedor de Justiça e também no pedido de indemnização que a Associação lhe exigiu.



Sim, o homem de olhos azuis, foi condenado a pagar uma indemnização ao Centro de acolhimento (nunca, até hoje, paga) e apesar de condenado, continuou a protestar por carta para o município de Oeiras.
À falta de melhor, e porque a indemnização tinha de ser paga, lá teve o Município de Oeiras que avançar, a expensas suas, com a dita verba, até que o homem de olhos azuis se resolvesse pagar, ou que um juiz o tivesse obrigado a cumprir o que o tribunal tinha sentenciado.
Qualquer outro cidadão teria pago com o seu património, mas este homem, não! Era uma pessoa “importante” (Reitor de uma Universidade, ex-militante de uma organização terrorista, amigo de Ramalho Eanes, Jorge Sampaio e Mário Soares, até ia fazer discursos a congressos do partido socialista onde era aplaudido de pé!). Como tal não pagou um cêntimo. Mas pagamos nós todos por ele (quer dizer, os cidadãos de Oeiras pagaram a fatia maior...) e provavelmente ainda ouviram qualquer coisa à Mário Soares, do género “Ó senhor com paralisia cerebral faça o favor de desaparecer e diga ao seu colega com paralisia cerebral para desaparecer também!”
Hoje, a APCL, é uma instituição reconhecida, que trabalha em prol dos mais frágeis, um orgulho para todos os Portugueses (pelo menos para alguns).



O tal homem dos olhos azuis despertou tarde para a luta política e, pelos vistos, também para a cidadania. Ficava-lhe bem o gesto de admitir que errou (quer dizer, se julga que de facto errou, porque pela falta de declarações sobre este assunto, tudo leva a crer que não sente que tenha errado e, como tal, que se fosse hoje, tomaria exatamente a mesma atitude).
Embora se diga apartidário, é no entanto, o candidato oficial do PCTP/MRPP.
Hoje quer ser Presidente... Nós (os autores do texto), pessoalmente, não queremos um Presidente de (quase) todos os portugueses com um coração tão duro, sentimos que os portugueses que sofrem de paralisia cerebral são tão portugueses como nós. Esta nossa atitude pode até ser “condenável” para alguns (paciência, não se pode agradar a todos), mas nós temos a mania de pensar que os portugueses são todos iguais. Opiniões, dirão alguns... Como tal, não gostaríamos de ver em Belém alguém que dorme descansado sabendo que impede melhores condições para os mais débeis em troca das suas aristocráticas “vistas” e de espaço para o seu lazer “desesperadamente vital”...
Este texto fará eventualmente mais sentido se pensarmos que Nóvoa, afinal, defende o que os partidos que por ele “nutrem simpatia” defendem. Não foram esses mesmos partidos que votaram NÃO (ou nim, outros) à criminalização do abandono de idosos? Tendo uns dias antes aprovado a criminalização do abandono de animais? E se se podiam continuar a abandonar idosos, porque não se poderiam abandonar deficientes? (Desde que sejam de dois membros locomotores, abandone-se tudo. Com quatro é que não!)



Os autores deste texto não são defensores do virtuosismo extremo, nem tão pouco isentos de erros no passado, no presente e certamente no futuro, mas não são candidatos a Presidente de todos os Portugueses.
Mais, os autores deste texto até concordam que Nóvoa (e quem o apoia) pode perfeitamente defender que é mais importante o seu espaço de lazer e as suas vistas do que a dignidade de uns tantos, menos afortunados, que sofrem de paralisia cerebral.
Até aceitam que, para Nóvoa (e quem o apoia), os portugueses não são todos iguais...
Concordamos que ele possa ter essa noção de cidadania, somos democratas e convivemos bem com opiniões diferentes da nossa, mas como dizia Voltaire (ou pelo menos dizem que dizia) “posso não concordar com uma única palavra que você diga, mas defenderei, até à morte, o direito de você a poder dizer”
Como eleitores e portugueses apenas gostávamos de saber se o candidato Sampaio da Nóvoa - o virtuoso, o candidato da “cidadania”... é o mesmo que o cidadão Sampaio da Nóvoa - O apreciador de belas vistas e do seu espaço de lazer, mesmo que em detrimento dos mais frágeis da nossa sociedade. É que, para alguns portugueses, ainda é importante conhecer o caráter de quem nos pede o voto.
Por fim, e porque estamos em tempo de começar a preparar a entrega do nosso IRS, deixamos a imagem inicial do site da APCL, onde esta associação apela ao seu donativo de 0,5 % no IRS. Se puder (e não lhe custa nada) entregue 0,5% do seu IRS para uma organização humanitária. Fica a sugestão de ser para a APCL. Se for de Lisboa, e for essa a sua escolha, o NIF da APCL é o 506 610 624. Se for de outra cidade e pretender dar o seu contributo consulte a página da FAPPC - Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral.

Artigo de Alberto Moura e Joana Barroso Calisto Valério





sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Portugal é a Venezuela da Europa



http://www.jornaldenegocios.pt/economia/conjuntura/detalhe/financial_times_portugal_acusado_de_afastar_investidores_estrangeiros.html

Financial Times compara Portugal à Venezuela, 50 dias bastaram para Portugal perder toda a credibilidade externa alcançada.

O Financial Times, é um jornal britânico de negócios com sede em Londres, considerado, a par do Wall Street Journal, o mais influente canal de informação económica, lido pela grande maioria dos líderes empresariais.
“A nova administração portuguesa não é o primeiro governo a recorrer a confiscos de ativos e medidas populistas. A Venezuela e a Argentina também pertencem a este clube”, escreve o Financial Times.

Em 16 de Fevereiro de 2014, o “Financial Times” dizia que Portugal era o herói-surpresa da retoma na Zona Euro, o aumento das exportações e o bom desempenho no sector do turismo justificam esta visão.

Portugal volta agora (apenas 50 dias após a tomada de posse do novo governo e sem que haja ainda um orçamento aprovado) a aparecer no Financial Times, só que, desta vez, como o anti-herói: "Portugal acusado de provocar investidores estrangeiros". Novo Banco, TAP e subconcessões de transportes são os exemplos avançados no artigo publicado pela publicação britânica.

O Financial Times diz que Portugal é acusado de afastar investidores estrangeiros.


Começando pelo Novo Banco, a contestação à decisão do Banco de Portugal de transmitir 1.985 milhões de euros de dívida do Novo Banco para o BES, afetando a igualdade de tratamento entre detentores de dívida sénior, tem tido lugar nos grandes órgãos de comunicação internacionais.
Devido à recapitalização do Novo Banco, a PIMCO (uma das maiores gestoras de activos do mundo) acusou Portugal de ser a Venezuela da Europa, acusando o país de confisco e prometendo contestação judicial.

O Financial Times relembra a afirmação de Pedro Passos Coelho à Renascença, em que comentou que as ações do Governo de Costa minam "a confiança dos investidores externos", culpando António Costa pelos problemas na TAP mas também no Novo Banco.
A arte do impossível



A TAP merece também destaque na notícia do Financial Times, apesar das indicações de que há uma aproximação entre o Executivo e o consórcio formado por David Neeleman e Humberto Pedrosa. António Costa quer a maioria do capital da transportadora, apesar de o Governo de Pedro Passos Coelho ter assinado, em Novembro, a venda de 61% do capital ao consórcio. Uma decisão que tem causado polémica, já que existe um contrato assinado.
O jornal britânico menciona ainda a reversão das subconcessões de empresas dos transportes. Todas elas tinham já um comprador definido, todas de fora do país, mas o Governo de António Costa optou por reverter os contratos, que aguardavam ainda aprovações por parte de autoridades reguladoras. As embaixadas de países de onde eram oriundos os grupos compradores, como o México, já se pronunciaram e mostraram-se contra a opção, lembrando que os contratos de subconcessão estão incluídos em entendimentos de maior dimensão, fazendo crer que com estes processos de reversão o investimento estrangeiro em Portugal ficará muito seriamente comprometido.
Estas são, segundo o Financial Times, questões que colocam em causa a imagem do país. O Financial Times refere ainda uma entrevista a Jujtaba Rahman (do grupo de consultoria Eurasia Group), em que este afirma que o Executivo português "enfrenta a tarefa impossível de concilicar exigências contraditórias entre os parceiros de esquerda e a comunidade de investimento internacional. Algo que, segundo disse Rahman ao jornal, terá um "impacto negativo sobre o ambiente empresarial português durante anos".

Artigo de opinião de Alberto Moura e Joana Barroso Calisto Valério

Je ne suis pas Charlie! Não, não sou Charlie!

Charlie Hebdo, é novamente notícia por maus motivos. Hoje, não por uma qualquer purga jihadista, mas por publicar uma sátira sobre Aylan Kurdi, o menino sírio de três anos tragicamente afogado em Setembro de 2015 numa praia da Turquia.
 
Diz Laurent Sourisseau "RISS",  caricaturista do referido pasquim, que aproveitou os abusos sexuais praticados por refugiados muçulmanos, na Alemanha, para brincar com o assunto, imaginando o futuro da criança, caso tivesse sobrevivido.
 
"O que teria sido o pequeno Aylan se tivesse crescido? Abusador de mulheres na Alemanha", assinala a infeliz caricatura, onde se pode ver a figura de Aylan, juntamente com a dois jovens a perseguirem várias mulheres.

A associação de ideias é inédita. Atrevo-me mesmo a dizer que não é qualquer néscio, por mais ordinário e insensível que seja que consegue associar a morte de uma criança a um "Taharrush."(1)

É inevitável concluir que a jocosidade macabra desta publicação tem uma lógica e um sentido de oportunidade só ao alcance de uma mente doente que, desta forma, demonstra ao Mundo a amplitude do seu desequilíbrio e, consequentemente, dá eco ao vazio de valores que, infelizmente, grassa numa parte significativa da comunicação social do chamando "mundo civilizado".
 
 

 
 
 
(1) Nota: O "Taharrush" é uma prática comum em alguns países muçulmanos ou com forte presença muçulmana e que consiste num arrastão de estupradores em que uma mulher indefesa é arrastada por uma multidão de homens com o objetivo de ser agredida e violada.
 
São conhecidos vários casos ocorridos nos últimos anos na India, Paquistão e no norte de Africa. Em 11 de fevereiro de 2011, a repórter da CBS Lara Logan foi atacada por um bando de homens no Cairo, capital do Egito, durante a cobertura da queda do governo de Hosni Mubarak. Em 30 de junho de 2013, durante uma manifestação também no Cairo, uma jornalista holandesa foi filmada sendo arrastada por uma multidão de homens e depois sexualmente atacada. 

Mais recentemente ocorreram fenómenos semelhantes em 2014 e 2015 em Estocolmo, durante um festival de musica "We Are Sthlm" e mais recentemente durante as festividades da passagem de ano em Colónia, Estugarda e Hamburgo, na Alemanha.
                                                     

BRICS em crise


estudos do Banco Mundial apontam para uma crise nos brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e chamam a atenção que tal significará que as suas economias, representativas de mais de 20% do pib do planeta, não acompanharão o tão necessário crescimento global.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

As palavras de Marcelo: "Veremos alçados ao Poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécie..."

Depois de visionar os debates da presente campanha eleitoral, em que se busca um presidente para a República, revisitei, nas minhas memórias mais negras, a "gestão" que a classe política tem aplicado ao País nos últimos 42 anos. Uma gestão sempre marcada pelo despesismo, pelos investimentos ruinosos, pelas despesas debochadas, pela bancarrota, pelos naufrágios financeiros, pelas intervenções externas, pelo desnorte político, pela amnésia crónica do eleitorado e pelos escândalos de corrupção de que Sócrates é o principal arauto.
 
Foram, sem dúvida, lembranças sombrias que normalmente surgem estimuladas em períodos de disputa eleitoral e que mais uma vez me assolaram o pensamento. Reconheço que facilitei o ressurgimento dos sintomas, cheguei ao ponto de acompanhar algumas das inúmeras declarações de candidatos e putativos candidatos, sem esquecer os pitorescos tempos de antena do Tino de Rãs, facilitados pela nossa democrática e independentíssima comunicação social.
 
É verdade, já lá vão quase 42 anos, desde que Marcelo Caetano a propósito do 25 de Abril disse: "Em poucas décadas estaremos reduzidos à indigência, ou seja, à caridade de outras nações, pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Para uma nação que estava no caminho de se transformar numa Suíça, o golpe de Estado foi o princípio do fim. Resta o Sol, o Turismo e o servilismo de bandeja, a pobreza crónica e a emigração em massa."
 
"Veremos alçados ao Poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécie que conhecemos de longa data. A maioria não servia para criados de quarto e chegam a presidentes de câmara, deputados, administradores, ministros e até presidentes da República.”
 
Será? Seja como for dá que pensar!
 
 

 

Nociva? Esta política imbecil é que é nociva!!


O Ministro da Educação Tiago Brandão Rodrigues afirma que Portugal "ia contra corrente nos últimos quatro anos" e que a escola "não tem que treinar para exames", defendendo ainda que a "cultura da nota é nociva", cabendo à sala de aula o papel principal do trabalho a desenvolver. Este Ministro parece que se aconselha unicamente na extensão sindicalista de Mário Nogueira, numa espécie de Secretário de Estado Adjunto da Educação. Só assim se explica estas políticas grotescas e atentatórias da educação em Portugal. Passamos do Ministério da Educação para o Ministério do Professorado. A cultura do exame e da nota é mesmo muito nociva. O importante é formarmos futuras gerações felizes de economistas, médicos, engenheiros cirurgiões, pedreiros, carpinteiros, advogados, pasteleiros, etc.. Imbecis mas felizes. Ignorantes mas felizes. De que vale a cultura do esforço e da recompensa pelo mérito? Para quê estudar e tentar ter boas notas? Relevante mesmo é as crianças serem acarinhadas e recompensadas pela mediocridade, isto num mundo global que nem é um lugar competitivo e nocivo. Enfim…e cedemos alegremente as futuras gerações a estas imbecilidades. 

pelas 35 horas, greve da função pública a 29 de Janeiro?


é o que se vai ver: A Inter, o braço "armado" do PCP e o seu chefe Arménio Carlos não dão tréguas ao frágil "arranjinho " do XXI governo de Costa.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Monarquia decadente

Não sei se a senhora irmã do rei de Espanha é culpada ou não, e até compreendo que um irmão tente sempre ajudar a sua irmã. Mas, essa história da Monarquia ser uma garantia de independência na liderança de um país é, mais uma vez, contrariada pela prática... (e podes ler aqui mais argumentos a favor da Monarquia)


No jornal Sol de hoje:




encerrar a prisão de Guantánamo


sete anos depois desta sua promessa eleitoral, Obama volta a referir-se à prisão americana localizada em Cuba, no discurso do "State of the Union", perante o Congresso dos Estados Unidos.
"É cara, é inútil e não é mais do que um panfleto de recrutamento para os nossos inimigos".
A um ano do termo do seu 2º mandato, Obama já não tem muito tempo a perder.

Carmona e a Justiça...


António Carmona Rodrigues foi condenado pelos "Justiceiros" da falsa moral e com isso, perdeu o PSD a CM de Lisboa abrindo espaço à vertiginosa ascensão de António Costa.


O tempo (esse fiel companheiro) deu razão a António Carmona Rodrigues e embora não apague a calúnia, os julgamentos públicos e a difamação, sempre faz acreditar que vale a pena enfrentar todos os desafios de cabeça erguida.

Agora deveriam ser pedidas responsabilidades aos dirigentes políticos do PSD na altura e relembro que era Presidente do PSD Marques Mendes e que era Presidente da Distrital de Lisboa Paula Teixeira da Cruz, sendo que muitos podem agora ter a legitima leitura de que são estes dirigentes os estrategas da derrota social-democrata em Lisboa e da criação do "animal" político, António Costa.


Espero com expectativa ver/ouvir o Dr. Marques Mendes, relativamente a esta noticia, no seu comentário de fim-de-semana.