terça-feira, 19 de janeiro de 2016

A farsa da reestruturação da dívida ao FMI


A decisão de pedir dinheiro emprestado ao FMI com taxas de juro de 4% só pode ter uma explicação: o governo não se sujeita ao mercado privado (pedir emprestado nos mercados a 10 anos está agora a 3% quando antes andava nos 2%. A 2 anos está nos 1%) porque sabe que a subida na taxa de juro privada está a dar sinais de vida e de se querer agravar, o que daria inconvenientes cabeçalhos de imprensa. Assim sempre vai pedindo ao FMI onde pode contar com a imbecilidade dos opinion makers que mais não fazem nos últimos tempos que andar a glorificar a recente reestruturação da dívida ao FMI como se pagar a uma taxa de juro ruinosa de 4%, muito acima da alternativa de mercado, fosse um negócio bem conseguido. Isto só revela o receio de uma nova crise na dívida pública tanto que se prefere garantir já que se paga ruinosamente a 4% do que arriscar a ver o que vão achar os nossos credores e os mercados nos próximos tempos tendo por base os próximos orçamentos do Estado.