quarta-feira, 23 de março de 2016

Temos tanto a aprender com o Brasil





No Brasil os políticos corruptos não se passeiam incólumes pelo país, são confrontados em todo o lado por cidadãos indignados que não baixam a cabeça, e acossados pelos média.

Em Portugal certos políticos corruptos são protegidos por alguns média, defendidos por alguns comentadores do centrão ( notável excepção para a "otherwise" inefável Clara Ferreira Alves), e promovidos pelas suas intocáveis teias de interesses.

No Brasil milhares de procuradores do ministério público e centenas de juízes assinam manifestos de apoio ao Juís Sérgio Moro.

Em Portugal reina o silêncio institucional, corporativo, e reivindicativo no poder judicial, Carlos Alexandre e Rosário Teixeira lutam quase sozinhos.

No Brasil o Supremo Tribunal Federal tem decidido contra as manobras do poder que procura escapar à Justiça ( Excepção imperdoável para o Juiz Teori, que tenta actualmente retirar a operação Lava Jato a Sérgio Moro, contra a opinião dos seus colegas).

Em Portugal um ex Presidente do Supremo mandou destruir escutas que incriminavam um ex-primeiro ministro, um Ex-PGR viajou de propósito para se encontrar com um ex-primeiro ministro dias antes de este ser preso (alegadamente para este lhe oferecer um livro que já lhe tinha oferecido meses antes no lançamento do mesmo), um juiz da relação com ligações fortes ao poder angolano anula o arresto de bens de Álvaro Sobrinho, responsável pelo "desaparecimento" de 5.000 milhões de euros do BES.

Temos muito a aprender com o Brasil.