terça-feira, 26 de julho de 2016

Uma espécie de vírus da desonestidade intelectual


Recordar Carlos César, que recentemente em entrevista ao Jornal Expresso, a respeito das eleições dos membros para o Tribunal Constitucional, Provedoria de Justiça e CES, num primeiro momento expressava a profunda crença de que o PSD iria cumprir com a tradição, e num segundo momento, a desilusão pela apelidada “traição” e “vergonha” pelo sucedido na eleição do presidente do CES. Não deixa de ser curiosa esta reação de Carlos César, líder parlamentar do PS, que nas ultimas legislativas rasgou uma das mais importantes convenções e tradições constitucionais ao formar governo mesmo tendo perdido as eleições e ao eleger o presidente da Assembleia da República como partido menos votado. Uma espécie de vírus da desonestidade intelectual que o PS e o Bloco de Esquerda incubaram mas vão tentando transmitir a terceiros.