terça-feira, 25 de julho de 2017

TEMPOS OBSCUROS E IMORAIS


Vivemos tempos obscuros e imorais. Chegamos ao extremo de gerir a morte como se ela fosse alguma vez gerida como uma imagem. Estamos no tempo das inaugurações do Estado de Ignorância; do Estado de Incerteza; do Estado de Incompetência e do Estado de Irresponsabilidade, em que o respeito pela vida e pela morte se tornaram algo desprezível. Encontrado o refugio do segredo de justiça, vivemos amordaçados com a verdade. Chegamos ao “ground zero” da desfaçatez. As palavras que proferem, essas parecem podres. E como se está a tornar insuportável o fedor das palavras. E o silêncio que paira sobre belém? Parece também ele refugiado em segredo de justiça.